Uma tentativa, sabida vã, de dar significação à vida.
Uma certeza de, na junção das letras, conferir à vida o meu significado.

20 de novembro de 2009

Epifania ou Carta a Solha

Champ de blé aux corbeaux, de Vincent van Gogh (1890)
50,5 x 100,5 óleo sobre tela



"Se nem for terra / Se trans for mar"
(Paulo Leminski)

Deparei-me com seu trigal pela primeira vez e fugi: meu olhar preconcebido não percebeu sua predestinação.

Deparei-me com seu trigal pela segunda vez e invadi: senti-me um espantalho querendo ser um daqueles negros corvos que para serem gaviões, "faltava quase nada". O mesmo "quase nada" que me faz não ser alguém...

Os corvos em sua negritude podiam voar no Vento, que não era o meu Minuano, mas que, ainda assim, me chamava e proclamava histórias, algumas de amores, outras de dissabores, das quais eles, pássaros negros, faziam literalmente parte. Mas, eu...

Eu era apenas um fino fio branco, como um daqueles de sua cerrada barba, preso a tanta história, porém um mero espectador.

Sinto muito, mas eu vou lhe confessar: agora, tudo o que eu queria na vida era ver a Bela Bruxa Má sendo decapitada pelas hélices de um gigantesco ventilador cor-de-rosa, enquanto a Fera, numa tentativa vã, devido à esterilidade planejadamente prematura, pondo suas mãos na altura de meus quadris e "dura, mas docemente", me deposita a semente do novo ser: "o novo homem".

O que "você" fez comigo? O que "eu" fiz de mim? É claro, eu sei: já estava tudo lá, "prontinho", só esperando a hora certa de mostrar a cara. Não, não vou me fazer de vítima. Você só deu uma "forcinha" e me fez sentir única num mundo de únicos.

Agora, só quero, também, poder dizer e fazer as mesmas besteiras originais e inovadoras que todos dizem e fazem. Todos os muito "cabeças". Ah, meu caro, essas... Essas rolam. E antes que a minha role, foi bom poder lhe contar o que aconteceu depois que cruzei o seu trigal. E vi seus negros corvos. E compreendi sua branca barba.


(Rio de Janeiro, 22 de junho de 2005)





Texto originalmente publicado no blog De aroma a buquê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário. Volte sempre!