Uma tentativa, sabida vã, de dar significação à vida.
Uma certeza de, na junção das letras, conferir à vida o meu significado.

1 de dezembro de 2012

Não me perguntem

Dream lovers, de Oleg Zhivetin (1999)
74 x 74 giclée em papel


"Sempre quis um amor
que coubesse no que me disse."
(Elisa Lucinda)


                              Não me perguntem
                              sobre fórmulas, poções, alquimias.

                              Tampouco sobre regras,
                              leis, códigos, teorias.

                              Sequer me perguntem
                              sobre como eu sei, ou sabia.

                              Não houve acordo,
                              pacto, contrato, harmonia.

                              Tudo de que me lembro daquele dia
                              é que respondi um “vamos tentar”

                              ao que já era amor,
                              e não ao que seria.


(Rio de Janeiro, 21 de novembro de 2012)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário. Volte sempre!