Uma tentativa, sabida vã, de dar significação à vida.
Uma certeza de, na junção das letras, conferir à vida o meu significado.

3 de maio de 2014

Espelho

Le manteau noir, de Van Hove (1999)
61 x 50 óleo sobre tela


"Como suportar, como salvar o visível, senão fazendo dele
a linguagem da ausência, do invisível?"
(Rainer Maria Rilke)


                               Esta que se mostra
                               exibe restos de mim
                               recolhidos do chão.
                               
                               Digo a ela
                               que me quero de volta.
                               Aonde foi aquela que não doía?
                               
                               Ela responde
                               que ainda está aqui.
                               E o diz sem pedir perdão.
                               
                               Não pretende
                               curar minhas feridas.
                               Antes, anuncia:
                               
                               — Saibam os corvos
                               que ainda estamos vivas.


(Rio de Janeiro, 01 de maio de 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário. Volte sempre!